Todos nós sabemos como é importante realizar consultas preventivas, não é? Já falamos bastante sobre este assunto aqui no blog.

Prevenir, rastrear e detectar doenças ainda nos estágios iniciais é a nossa melhor ferramenta para diminuir os impactos da doença na qualidade de vida do paciente.

E para pessoas vivendo com HIV? É necessário ir frequentemente ao profissional de coloproctologia? Qual é a frequência ideal? Este é um grupo de risco?

Saiba tudo agora!

HIV e Coloproctologia

O HIV é o vírus da imunodeficiência humana e atinge, aproximadamente, 920 mil pessoas no Brasil

Os dados são do Ministério da Saúde e apontam uma grande e crescente população portadora do vírus no nosso país, o que alerta a respeito da necessidade de buscar ajuda médica para evitar o desenvolvimento da AIDS, a doença causada pelo HIV.

Os pacientes soropositivos apresentam, via de regra, alterações de imunidade. Mesmo nos casos onde o tratamento é realizado corretamente e não há carga viral, é preciso que estas pessoas fiquem muito atentas à própria saúde e às suas relações interpessoais. 

Sexo anal: riscos e proteção

Fotografia de camisinha

A prática de sexo anal realizada por homens e mulheres, por exemplo, pode causar doenças orificiais. Caso não seja feito o uso de camisinha, pode gerar corrimentos, HPV (Papilomavírus Humano) e infecções internas.

Além disso, a população com alterações de imunidade é mais propensa a apresentar câncer de ânus, uma entidade que, se reconhecida precocemente, pode ser tratada e curada.

Dessa forma, através de consultas periódicas ao coloproctologista, é possível evitar  e tratar doenças ou lesões que afetam o organismo.

Quantas vezes ao ano a pessoa com HIV precisa ir ao coloproctologista?

Pelo menos uma vez ao ano de forma preventiva. 

Porém, se você identificar algum sintoma como dores, sangramentos e protuberâncias na região anal, é recomendado que a consulta seja feita imediatamente.

Como as pessoas com imunossupressão fazem parte dos grupos de risco, é essencial ter esse cuidado de maneira regular. Se for necessário, a sua médica informará se você precisa realizar mais visitas.

“Nunca fiz a consulta. Há algo que preciso saber?”

Fotografia colorida de médica utilizando estetoscópio para examinar um paciente homem.

Se você planeja realizar a sua primeira consulta, confira o texto que publiquei aqui no blog chamado Como é a consulta com a coloproctologista?, onde respondo as dúvidas mais comuns dos pacientes.

Caso seja necessária a realização de algum procedimento cirúrgico, o profissional irá requisitar exames para identificar a carga viral e o nível apropriado de células de defesa.

Mas não se preocupe: o mais importante é tratar a sua saúde e prevenir problemas sérios como o câncer colorretal ou do ânus.

 

A sua pergunta foi respondida? Se não foi, que tal marcar a sua consulta e dar o primeiro passo para obter mais qualidade de vida?

Aproveite para colocar o seu e-mail no campo de newsletter para receber todos os artigos em primeira mão!

Sobre o(a) autor(a): Dra. Camila Medeiros

Dra. Camila Medeiros
Dra. Camilla Medeiros é médica coloproctologista em Natal/RN com especialização em Saúde Intestinal e Câncer de Cólon.

Artigos relacionados

Voltar para artigos