A colonoscopia é um exame que usa uma técnica semelhante à endoscopia e permite registrar imagens em tempo real do intestino grosso e parte do intestino delgado. Ele é indicado para diagnosticar infecções, tumores, pólipos; investigar doenças como câncer, doença de Crohn, úlceras, síndrome do intestino irritável; e também possibilita a retirada de tecido para biópsia.

Quando deve ser feita?

Além dos casos em que há sintomas de doenças no intestino grosso ou no reto, como alterações no hábito intestinal e dores, a colonoscopia também é utilizada para rastreamento de câncer colorretal. A indicação é que todas as pessoas a partir dos 50 anos realizem o exame.

Já para quem tem histórico familiar da doença, o procedimento deve ser feito 10 anos antes da idade em que o familiar foi diagnosticado.

Como é feita a colonoscopia?

O exame é indolor e realizado sob sedação para que o paciente se sinta mais confortável. Durante o procedimento, o colonoscópio é introduzido pelo ânus e guiado até a parte inicial do intestino grosso ou até o final do intestino delgado. O aparelho é constituído por um cano flexível e uma micro câmera, que filma todo o percurso e reproduz as imagens em um monitor, onde elas são capturadas para analisar a presença de alterações suspeitas.

colonoscopia

O preparo para o teste geralmente  inicia de 24 a 48 horas antes, e é feito através de uma dieta leve e líquida, com uso complementar de laxantes, para que o intestino esteja sem resíduos e as imagens estejam nítidas.

Todo o processo dura cerca de 20 a 40 minutos e o paciente é liberado logo em seguida. Devido aos efeitos da anestesia, é recomendado a presença de um acompanhante.

Existem efeitos colaterais ou contraindicações? 

Após o exame, é comum sentir um certo desconforto abdominal e gases. Sangramentos também são normais em casos de retirada de tecido para biópsia. No entanto, se houver reações adversas como vômitos e náuseas, é importante retornar ao médico.

Quanto às contraindicações, o exame não é indicado para paciente com diverticulite aguda complicada, obstrução intestinal e o megacólon tóxico. No entanto, de forma geral, o procedimento só pode ser realizado sob orientação médica e após avaliação criteriosa e individual de um profissional especialista.

Gostou desse conteúdo? Sua pergunta foi respondida? Se você ficou com alguma dúvida relacionada ao assunto, deixe um comentário logo abaixo ou entre em contato!

Aproveite para se inscrever na newsletter para receber todos os posts, artigos e notícias! Tenho certeza que teremos muitas informações úteis por aqui. Basta colocar seu nome e o seu melhor e-mail!

Sobre o(a) autor(a): Dra. Camila Medeiros

Dra. Camila Medeiros
Dra. Camilla Medeiros é médica coloproctologista em Natal/RN com especialização em Saúde Intestinal e Câncer de Cólon.

Artigos relacionados

Voltar para artigos