Muitas pessoas sentem com frequência cólicas, distensão abdominal, obstrução intestinal, dificuldade de evacuar ou diarreia, o que não é considerado normal. Esses são sintomas presentes em muitas doenças intestinais de caráter benigno. Ou seja, que não são fatais, mas que trazem uma série de prejuízos ao funcionamento do corpo.

Saber diferenciá-las e assim tratar a doença corretamente é muito importante, por isso é fundamental uma investigação clínica séria.

Algumas das patologias benignas que afetam o intestino e que frequentemente aparecem no consultório são:

  • Síndrome do intestino irritável (SII);
  • Doença de Crohn;
  • Retocolite ulcerativa (RCU);
  • Constipação intestinal.

Vamos falar sobre cada uma delas:

Síndrome do intestino irritável

A síndrome do intestino irritável (SII) é um distúrbio intestinal que causa dor na barriga, gases, diarreia e constipação. Estes sintomas pioram devido a variadas causas, que vão desde situações de estresse até a ingestão de alguns alimentos. A origem da doença ainda não é bem compreendida pela medicina. O diagnóstico costuma ser feito com base na análise dos sintomas e da exclusão de outras doenças.

SSI não tem cura. Algumas pessoas conseguem administrar os sintomas com o controle da alimentação, do estilo de vida e do estresse. Outras precisam fazer uso de medicação para amenizar os sintomas e de acompanhamento psicoterapêutico.

Doença de Crohn

A doença de Crohn é uma patologia crônica, ou seja, que acompanha o paciente a vida toda. Mas há tratamento para redimir os sintomas e garantir bem estar ao paciente.

Ela se manifesta a partir de um quadro inflamatório no tubo digestivo, podendo se estender desde a boca até o ânus. De modo geral, os tecidos mais acometidos estão localizados entre a parte final do intestino delgado e o grosso, ou seja, no íleo e cólon.

A doença de Crohn pode causar dor abdominal, nas articulações e no reto. São sintomas da doença: diarreia, inchaço, náusea, obstrução intestinal, vômito, flatulência, perda de peso, anemia e fadiga. O paciente também pode ter aftas, febre, fissuras e fístulas anais. A doença pode causar até mesmo depressão e gera mais risco de desenvolvimento de câncer colorretal.

Os medicamentos utilizados para essa doença são administrados para reduzir a inflamação e controlar os sintomas. Para retardar a progressão da doença podem ser usados medicamentos como esteróides e imunossupressores. Em alguns casos se faz necessário realizar cirurgia.

Retocolite ulcerativa (RCU)

A Retocolite ulcerativa (RCU) é uma outra doença crônica, causada pela inflamação do cólon (intestino grosso) e reto. Ela geralmente se inicia em adolescentes e adultos jovens (15 a 30 anos), mas também pode aparecer em outras idades.

As formas desta doença variam de leve a grave. Os sintomas são parecidos com os da doença de Crohn e incluem sangramento retal, diarreia sanguinolenta, cólicas abdominais e dor. O paciente também pode ter anemia, fadiga, febre, perda de apetite e de peso.

O tratamento inclui medicamentos, como anti-inflamatórios intestinais, imunossupressores e corticoides, e também pode necessitar de cirurgia. O paciente de RCU tem maior risco de desenvolver câncer de cólon e precisa fazer avaliações periódicas.

Constipação intestinal

Constipação, também conhecida como obstipação ou ainda por prisão de ventre, não é uma doença, mas um quadro clínico bastante comum, que reúne vários sintomas.

Essa condição é caracterizada por defecações pouco frequentes ou de difícil passagem. As fezes apresentam-se geralmente duras e secas. A pessoa sofre ainda de dores abdominais e desconforto. Pode apresentar também flatulências e sensação de não esvaziar o intestino por completo.

Algumas causas comuns são desidratação, dieta com baixa ingestão de fibras, sedentarismo, estresse, mudança brusca na rotina ou efeitos colaterais de medicamentos.  O tratamento é geralmente feito com mudança no estilo de vida, como uma alimentação equilibrada e a prática regular de atividade física. Às vezes é preciso intervir com remédios.

Quando procurar um médico?

Um desconforto intestinal contínuo pode ser sinal de uma doença crônica, que precisa de auxílio médico para que o caso não se agrave. Por isso: ao menor sinal de mudança no hábito intestinal, procure um especialista para que ele avalie clinicamente a sua situação.

 

Ficou alguma dúvida? Deixe a sua pergunta nos comentários ou entre em contato!

Siga também o meu perfil no Instagram para ver mais conteúdos e informações úteis para a sua saúde.

Até o próximo!

 

Sobre o(a) autor(a): Dra. Camila Medeiros

Dra. Camila Medeiros
Dra. Camilla Medeiros é médica coloproctologista em Natal/RN com especialização em Saúde Intestinal e Câncer de Cólon.

Artigos relacionados

Voltar para artigos